RESPOSTA AO DR. FRANKLIN CUNHA, MEU QUERIDO CONFRADE DE ACADEMIA QUE ME CHAMOU DE LIBERAL PORQUÊ VOTEI EM BOLSONARO!

BOLSONARO DIZ QUE NÃO ENTENDE DE ECONOMIA E BOTA NA ECONOMIA O GUEDES QUE ACHA QUE EXISTE MERCADO ONDE UM OLIGOPÓLIO ESTATAL, MAIOR DO UNIVERSO, COM 850.000.000 DE OPERÁRIOS QUE É IGUAL À POPULAÇÃO JUNTA DAS TRÊS AMÉRICAS, FINANCIADO ESTE OLIGOPÓLIO COMUNISTA PELOS MAIORES OLIGOPÓLIOS CAPITALISTAS GLOBALIZADOS COM CAPITAL E TECNOLOGIA, E GUEDES E SEUS COMPARSAS LIBERAIS ACHAM QUE A INDUSTRIA MANUFATUREIRA SIMILAR, NO BRASIL, PODE ENFRENTAR ESTE THERA PODER CONCORRENCIAL ALIADO À DUMPINGS MONETÁRIO – MOEDA BAIXISSIMA – DUMPING SOCIAL – AUSÊNCIA DE DIREITOS TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIOS COM ZERO CUSTO E RESULTADO MERCADOLÓGICO CONCORRENCIAL QUE ELIMINA E ILIMINOU TODAS AS INDUSTRIAS COM PRODUTOS SIMILARES NO BRASIL E AMERICA LATINA ALIADA ESTA MÁQUINA DE GUERRA ORIENTAL AO PLANO REAL QUE SUBIU MAIS O REAL DOLARIZANDO-O E DANDO MENOS VALOR ÀS MERCADORIAS VINDAS DO SUDOESTE CHINÊS EXTINGUINDO O PARQUE INDUSTRIAL DO BRASIL E SEUS EMPREGOS E CRIANDO À CRISE ECONOMICA ATUAL QUE SE MANTÉM À FAVOR DO INIMIGO DOS TRABALHADORES NACIONAIS POIS O TIGRE CHINÊS SEM DIREITOS FAZ COM QUE O CAPITALISMO AUTOCTONE, PARA SOBREVIVER, QUEIRA EXTINGUIR OS DIREITOS DAQUI TAMBÉM!!! O COMUNISMO ASSIM É UMA DOUTRINA DE CONVENIÊNCIA POIS BENEFICIA SÓ OS OPERÁRIOS CHINESES COM MAIS EMPREGOS LÁ E MENOS AQUI! O LIBERALISMO DAQUI FECHA OS OLHOS À QUE O LIBERALISMO MUNDIAL FINANCIE OS CHINESES “COMUNISTAS” COM CAPITAL E TECNOLOGIA PARA EXTINGUIR, COMO EXTINGUIRAM, COM MILHARES DE EMPRESAS COM SUA CONCORRENCIA PREDADORA !!!! Ao Franklin Cunha que acha porque votei no Bozo sou favorável ao Liberais que se aninham e tomam conta de seu governo. Já está decidido que eu sou um dos milhões de brasileiros que não sei votar, mesmo nao sendo analfabeto, já votei no Lula, na Dilma, sempre nos primeiros turnos e nas primeiras vezes e votei neste que esta aí também….pelo menos NÃO É CORRUPTO NO MAIS ALTO GRAU COMO ERAM OS PRIMEIROS…. votei neste cara que é grosso e não sabe nada de economia e anda e é dominado por LIBERAIS de quem sou arquiinimigo pois são contra o Povo e os Trabalhadores!!! As reformas do Bozo SÃO MERA CORREÇÃO DE FLUXO DE CAIXA como as mesmas e identicas de FHC e LULA todas prejudicando os operários!!! O PROBLEMA DO BRASIL que escrevi o artigo O BRASIL À BEIRA DO ABISMO quando ainda estava filiado ao PDT filial do PT É MAIOR DO QUE A PARTIDOCRACIA CORRUPTA E CLEPTOCRÁTICA!!! QUALQUER DESTES CANDIDATOS DE QUALQUER DESTAS MÁQUINAS DE ROUBO E ASSALTO EXISTENTES E QUE TOMAM O NOME DE PARTIDOS NÃO TERÃO CONDIÇÕES DE ENFRENTAR. COMEÇA PELA DÍVIDA PÚBLICA IMPAGÁVEL E AO QUAL OS LADRÕES DO PT COMUNISTAS DE MERDA DISSERAM QUE IAM FAZER AUDITORIA DA DIVIDA, E, NO MOMENTO EM QUE FORAM ELEITOS TINHAM PODER PARA TANTO , COM HEGEMONIA POLITICA, E NO ENTANTO FIZERAM O QUE FIZERAM APARELHAR O ESTADO E ESTATAIS E SAQUEA-LAS EM NOME PRÓPRIO E DA SUA SEDE E FOME DE DINHEIRO GENÉTICA DE CORRUPTOS VISCERAIS!!! O problema do Brasil soma divida publica com sua inserção mercadológica numa conjunção com a China Comunista que é um shopsuei comuno/capitalista que na EQUAÇÃO CENTRO/PERIFERIA coloca o Brasil e a América do Sul sob sua INFLUÊNCIA TOTAL DE SUA GRAVIDADE ECONÔMICA readaptando e organizando à demanda brasileira e suas vantagens comparativas para alimentar a fome de bilhões de asiáticos da China e dos paises de seu entorno! O sistema mundial e nacional MONETÁRIO é caótico e kafkaniano só tendo uma lógica: A DE PERDURAR SAQUEANDO O POVO DE TODAS AS NAÇÕES DO MUNDO INCLUSIVE ÀS DO CAPITALISMO CENTRAL! O rentismo ou a economia que se faz à custa de juros usurários e escorchantes é o que alimenta este monstro cujo tamanho é maior DO QUE A ECONOMIA REAL que é vampirizada pela economia rentista cada vez mais…o CRÉDITO PUBLICO E PRIVADO é uma montanha de DÍVIDA À FUTURO COMO SE FOSSE UM GRANDE BLACK HOLE À TRAGAR O PASSADO E O PRESENTE DA ECONOMIA AINDA ATIVA!!! Aqui no Brasil tivemos  quantos planos econômicos onde os representantes desta PARTIDOCRACIA CORRUPTA E CLEPTOCRÁTICA de forma publica SACARAM ZEROS DA MOEDA VIGENTE QUANTAS VEZES AOS MILHARES E AOS MILHÕES CONFESSANDO PUBLICAMENTE SEU ROUBO CONTRA O POVO!!!!! O mundo das finanças tem uma natureza do nosso próprio universo fisico descrito pelo famoso Astro Fisico MOURÃO é como se emulasse o mesmo com seus Black Holes e Quasars!!! Nos Black Holes, Buracos Negros, a energia entra nos ” caminhos de minhocas” e nos Quasarts a mesma energia sairia! Imaginem DOIS UNIVERSOS PARALELOS sendo que a energia entra de um lado e sai de outro caminhando ou andando, se movimentando entre os Universos paralelos através dos “caminhos de minhoca” e por estas portas de entrada, Quasars ou portas de saida Buracos Negros! O universo economico tem forma semelhante : Os BANCOS CENTRAIS Dos ESTADOS NACIONAIS que emitem moeda do nada e contra o povo pois a EMISSÃO É DIVIDA QUE SAQUEIA O TRABALHO DO POVO simulando QUASARS e, por outro lado, com atração gravitacional do investimento, os BURACOS NEGROS que na economia são AS BOLSAS DE VALORES de quando em quando, depois de por anos atrairem capitais à serem investidos na economia física SOFREM ATAQUES ESPECULATIVOS QUE QUEIMAM E VOLATILIZAM EM DIAS TRILHÕES E TRILHÕES DE DÓLARES EQUIVALENTES À VARIOS PIBS DE VÁRIOS PAISES JUNTOS!!!! Esta é a loucura que estamos vivendo….a moeda é papel e não tem lastro em nada!!! Divida pura….por isto não acredito mais em partidos!!!! Trabalho há 21 anos escrevendo e observando este fenômeno e escrevi mais de 850 páginas à este respeito que estão no meu blogue que já tem mais de 700.000 acessos e são testemunhas do que penso e faço!!! O livro fisico são só 400 paginas destas dai e sua edição não ultrapassa 3000 volumes!!!!!! Assim a edição eletrônica é maior! Antes eu tinha um site na FACULDADE DE DIREITO DA UFRGS que foi derrubado e de lá foi saqueado o nome da teoria GUERRA DAS MOEDAS onde o indiciado e condenado por crimes contra a corrupção o indigitado Guido Mantega plagiou o nome Guerra das Moedas escrito por mim antes de Hongsong Bing que é de 2007 e antes de James Rickards que é de 2014. EU, DR. FRANKLIN CUNHA escrevi meu GUERRA DAS MOEDAS CUNHANDO ESTA EXPRESSÃO em 15.07.1998 na coluna de Opinião do Jornal do Comércio!!!! Se você puder voce me traga um clássico ou filosofo da Ciencia Politica ou até economia que tenha escrito esta expressão antes. Há Jonh Maynard Keynes no Pequeno Grande Tratado Monetario nas fala em diluicao de dívida por emissão de forma ENDÓGENA! Em 1961 Bob Triffin na expressão THE BEGHAR THI NEGBHOR traz incita ou inerente à razão mas não à expressa e John Kenneth Galbraith trata de uma GUERRA DE MOEDAS totalmente ENDÓGENA entre os Bancos Anericanos antes da formação do banco central Americano!! Endógeno também! A primeira vez que se fala numa GUERRA MONETÁRIA EXÓGENA é o meu conceito com todas as letras neste pequeno artigo que, junto com outros foram publicados na Gazeta Mercantil, na Folha de São Paulo e Zero Hora por este escritor deram um nome ao fenômeno de saque que hoje eles.monitoram internacionalmente dando -lhe o nome de POLITICA DE META DE INFLAÇÃO OU META DE DÍVIDA!!!!! Sei que o senhor foi médico particular de DILMA ROUSSEF e que tem muitas considerações por ela e assim seria ou estaria , pelo afeto e por vossas convicções ideológicas comunistas ( me atrevo a classificar como V.Sa, me classificou como o que mais detesto depois de um comunista é ser um liberal pois eu detesto à ambos pois sou GETULISTA TOTAL UM DEMOCRATA SOCIAL COMO EUROPA INTEIRA É E COMO ARISTÓTELES DIZ QUE DEVEMOS, ENTRE OS EXTREMOS, ADOTAR O MEIO TERMO!!! EU SOU DA FRATERNIDADE não sendo nem da igualdade nem da liberdade! Eu não sou nem do Capital nem só do Trabalho pois luto pela HARMONIA entre os dois fatores de produção que Marx, filósofo que imagino que VExa é caudatário distanciou à ambos os fatores com sua ETERNA LUTA DE CLASSES!!! COMO GETULIO DIZIA : Somos à meia estação entre o capitalismo e o comunismo! Assim prefiro Vargas , Franklin Delano Roosenvelt com seu New Deal, a revolução mexicana de 1910 que em 1917 vai criar à constituição Mexicana e o modelo de SOCIAL DEMOCRACIA criando os direitos materiais ou sociais do Trabalho, Previdenciarios e Agrários!!!! Weimar de 1918 caminha também neste sentido !

 

RECADO À BOLSONARO & PAULO GUEDES: Origem do Desemprego, desindustrialização, desenvestimento e CRISE NO BRASIL!!

ORIGEM DO DESEMPREGO, DESINDUSTRIALIZAÇÃO, DESiNVESTIMENTO E CRISE NO BRASIL!

         Todo e qualquer Estado Nacional integrado na comunidade das nações globalizadas e conectadas através dos reticulados concernentes ao multilateralismo, para bem competir no mercado internacional, uma ótima infraestrutura de produção e escoamento através de estradas de ferro, rede hidrográfica fluvial, lacustre e marítima, estradas de rodagem, pontes e portos; níveis de estudo disseminados entre à população para que através da especialização técnica a produção seja eficaz; tributos, impostos e taxas altamente racionalizados e simplificados não causando reincidência e onerando a produção ou sua circulação; leis que regulem o exercício do trabalho tendo em conta a saúde do trabalhador e seu bem estar e também a desoneração e a racionalidade das incidências para otimizar a rentabilidade do capital. Todo o governo que procure equalizar estes pontos é um bom governo no sentido de estar, da mesma forma, otimizando a concorrência e a competitividade das mercadorias e commodities produzidas sob esta atmosfera de sustentabilidade ambiental e com relação à harmonia da remuneração de ambos os fatores de produção capital e trabalho. O Brasil, com as tímidas reformas que faz, em passo de formiga, está tentando se ajustar a esta agenda de racionalização do seu meio de produção fazendo reformas trabalhistas, reformas tributárias e encaminhando-se para implantação de reformas no ensino, ampliação e reforma de sua infraestrutura de escoamento, etc..  O marketing governamental de Guedes coloca nestes itens, acentuando mais ou menos, a importância dos mesmos para se atingir à condição ótima para uma decolagem da economia e uma saída da estagnação à que estamos reduzidos numa sequência de 30 anos em que se alinham às décadas perdidas dos anos 80, a década perdida dos anos 90 e agora, a década sem perspectiva da estagflação e depois da estagnação total com um processo de desindustrialização nacional jamais visto. Recuamos no índice de produção e exportação dos industrializados à níveis anteriores à era Vargas se cotejados com a agroindústria que, atualmente, segura o Produto Interno Bruto do país. No entanto, o Sr. Guedes, suprime da ótica de razão de seus cálculos econômicos a conjunção econômica ou o enquadramento gravitacional entre a China e o Brasil que cada vez mais coloca o Brasil sob a égide da China. A China, através destes 30 anos foi gradativamente recebendo o aporte de capitais privados internacionais e da tecnologia sendo que aliado à um exército de 850.000.000 de seres humanos como força de trabalho erigiu-se como um Thera Oligopólio Estatal, uma Ditadura Comunista Férrea, que mantendo dumping monetário, seja, a moeda rebaixada e com alta competitividade perante as demais, lhe atribui, nos preços finais alta concorrência com relação à produtos similares em qualidade produzidos em qualquer latitude do mundo!!! Você poderá argumentar que os negócios são liquidados internacionalmente em dólar e que a moeda interna não afeta , em absoluto ou relativamente, o custo inicial de produção e , assim, não redundaria com relação à preços finais de competição!!! Você engana-se pois há um conceito criado por Marx, que se chama a Lei da MAIS VALIA que regula o LUCRO FINAL das mercadorias aumentando-o, na proporção direta em que, internamente é dizer endogenamente, você tenha um custo baixo do preço do trabalho pois você equalizou o transporte do trabalhador, sua alimentação e sua moradia, barateando tudo e por isto necessitando menos capital para remunerar seus salários, que serão mais baixos, sendo que da mesma forma, em razão de um regime de força ou ditatorial, NÃO HÁ DIREITOS TRABALHISTAS com relação à força cativa de trabalho barata, pois este regime cultiva o DUNPING SOCIAL!!! Isto é, não remunera os acréscimos relativos aos direitos que as demais nações civilizadas como à Europa e a América Latina, com seus direitos sociais trabalhistas, num modelo de Welfare State, modelo mexicano de 1917 e modelo weimariano de 1918, com suas características democrático-sociais, encarecem o custo das suas mercadorias através do pagamento de horas extras, insalubres, periculosas, trabalho noturno, horas extras etc; O pior é que os entes criados em Breton Woods, como a OMC e o GATT equalizam os itens relativos à produção como à proibição de subsídios estatais à produção, ainda de forma destorcida e má pois Europa e EUA, continuam subsidiando suas produções agrícolas, contra a rodada de Doha, prejudicando os estados nacionais onde os capitais dedicados à esta produção estão sujeitos à um regime de competição livre e que se torna desigual refletindo-se nos preços finais, perdendo competitividade ante as imposturas dos subsídios estatais, por argumentos de segurança alimentar, no Velho e do Novo Mundo, na Norte América. O mais grave em tudo é que se os entes multilaterais como a OMC e o GATT são relativamente efetuados e viabilizados entre os signatários dos tratados, no entanto, a OIT Organização Internacional do Trabalho não consegue efetivar uma internalização de suas convenções internacionais relativas ao trabalho e à sua proteção, sendo que a China comunista, por ser ideologicamente comunista e ter uma revolução feita em nome do trabalho e do trabalhador, não internaliza, ela e seu entorno no Sudoeste da Ásia, sendo esta mão de obra de bilhões, mantidas num regime de semiescravidão frente à monopólios estatais associados à monopólios capitalistas mundializados que exploram barbaramente seus empregados retirando-lhes além da MAIS VALIA absoluta de diferença de baixos custos de alimentação, transporte e moradia, um valor relativo aos seus direitos trabalhistas não pagos pois não internalizados pela soberania destes estados nacionais!!!  No ocidente, tanto comunistas como liberais, não discutem e não enfrentam estes itens paradoxais em duas doutrinas, sendo que ambas as doutrinas, aproveitam-se desta falta de discussão para tentarem se locupletarem politicamente com a falta de discussão destes itens.   Comunistas não confessam que os comunistas da China continental, que fizeram uma revolução que seria em nome do Trabalho e do Trabalhador não redunde em lucros e dividendos para o trabalhador diretamente mas que estes fiquem, em regime de semiescravidão, remunerando o CAPITALISMO DE ESTADO do governo chinês administrado pelo Partido Comunista e que destrói, no exterior, exógenamente, todas as conquistas dos trabalhadores na Europa e nas Américas pois lá, as mercadorias sem dumping social, isto é , sem ausência de direitos trabalhistas , vão ter seu custo onerado pelos mesmos agravando sua competitividade ou concorrência ante as similares produções chinesas que vão , maquiadas através de tratados regionais descumpridos, como o Mercosul, ingressarem legalmente ou ilegalmente pelas fronteiras permissivas, como descaminho de direito e contrabando, destruindo toda e qualquer indústria similar existente nestas latitudes. Da mesma forma a má fé ou a ignorância Liberal, nos seus argumentos fala no império do Mercado total suprimindo a condição de razão inicial ou primeira premissa, de que a China e seu entorno no sudoeste asiático, são mega ou mesmo Thera Monopólios Estatais financiados por Oligopólios Globalizados, com marcas e patentes e aporte de capital, portanto tecnologia de ponta e capital, que unidos aos seus Dumpings Social e Monetário dão uma sinergia incrível e poder de competitividade inalcançável pelas indústrias forâneas!! Assim os liberais sonegam aos pequenos e médios empresários em seus países a existência de uma adulteração de mercado pois, quando se tem numa ponta, não um mercado aberto ao mundo e às suas influências sejam elas do Capital, mas também do exercício do Trabalho, que ali é suprimido e alterado, para mais, fazendo com que a real competitividade seja uma mera figura de retórica pois a real competitividade foi assassinada na sua origem através destes artifícios que vos relato.

         Se além da Mais Valia Complessiva que é a Mais Valia Individual , operário à operário, soma-se a esta, na proporção direta de milhões e milhões de trabalhadores, uma força de trabalho de 850.000.000 de trabalhadores que é maior que a população das Três Américas, do Sul, Central e do Norte, sem contar os idosos e jovens exilados por suas condições de saúde  e idade do trabalho, pois a China soma uma população total de um 1 bilhão e 600 milhões de chineses!!!! Esta mais valia complessiva é que permite à China ir baixando sua moeda embora vá chegar o dia em que existirá um piso mínimo que brecará estas baixas na razão direta da anulação da Mais Valia e em proporção direta !!!!

         Um outro modelo que inibe o crescimento e a crise dos países que gravitam entorno da China vendendo sua grande produção agrícola é o modelo desenhado e esboçado por Raul Prebisch, o grande economista argentino, que na escola da CEPAL de 1950, junto com Maria Conceição Tavares, Celso Furtado, Fernando Henrique e outros criaram o conceito ou equação cognominada de CENTRO PERIFERIA. Através desta equação ficou provado que os países novos ou emergentes cairiam submetidos e adaptados aos países centrais já industrializados modulando seus parques produtivos de forma adaptada às necessidades e demandas do Centro ficando a Periferia vocacionada em suas plantas produtivas à fornecerem ao Centro suas mercadorias afetas às suas vantagens comparativas. Assim o capitalismo, para alguns países , apresentaria várias fases de evolução no seu desenvolvimento como se fosse um ser em crescimento enquanto que , para outros, da Periferia, estas fases seriam poucas sujeitas e condicionadas à satisfação das demandas dos Estados Centrais em insumos para suprir suas industrias  e demandas. Assim é que a China, de periferia, passa a ser e a ocupar, nestes últimos 40 anos a condição de Centro migrando de sua anterior fase de periferia. Sim, a China que através de uma ditadura comunista assegura o ressarcimento e a plena retribuição e satisfação do capital e da tecnologia com relação aos seus investimentos, passa a ser um polo produtivo, que por suas vantagens comparativas artificiais, Dumping Social, supressão de direitos trabalhistas, e Dumping Monetário, competitividade monetária através da Mais Valia interna, atribuem à China uma força gravitacional ao Capital Internacional Globalizados nunca jamais vista em toda a História da Humanidade sendo que todo estes capitais fazem da China o maior destino de percentual de IED receptáculo de Investimento Exterior e Tecnológico no Exterior jamais suplantado por qualquer país…A China , por ter uma vontade política hegemônica, a Ditadura Comunista, com esta hegemonia garante uma remuneração ótima aos investimentos exteriores sem oferecer, para futuro, como no Brasil havia um Brizola, que em todo o momento ameaçava o capital internacional com desapropriações em nome do |Povo.

         Assim é que o Brasil vendendo à China 60 bilhões em comodities do Agronegócio, tem de comprar algo para equalizar assim o Balanço de Pagamentos entre as duas nações, restando no entanto um superávit de uns 18 bilhões à favor do Brasil. Estas compras representam produtos similares aos fabricados aqui, que em razão dos fatores apresentados que distorcem e prejudicam à competitividade e a concorrência, fazem com que haja o processo de DESENDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL e o DESEMPREGO CAUSADO PELO FECHAMENTO DE EMPRESAS!!!

         Outro fator que se une à estes todos é a EQUAÇÃO DESCRITA POR ROBERT MUNDELL quando desenha sua teoria das áreas monetárias favoráveis, ali ele demonstra, que o acoplamento ou a relação “carnal” com um outro país, se reproduz por emulação, no interior do país acoplado, os mesmos fenômenos por que passa o estado dominante. No caso à China também tem seu acoplamento aos Estados Unidos da América que, conforme o Dilema de Triffin, exporta uma moeda fiduciária sem lastro ouro e que é pura inflação, ou dívida pública sem lastro ou mera expansão do meio circulante, na forma de liquidação das contas do Balanço de Pagamentos, pois o Brasil, recebe, posteriormente estes dólares americanos, pois esta moeda solve 70% dos negócios mundiais e o Brasil, por estar afeto constitucionalmente ao conceito de MOEDA DE CURSO FORÇADO dando primazia e exclusividade monopolística de circulação do REAL em seu território soberano, fazendo assim, que as exportações e  o pagamento aos exportadores, recebidos o equivalente em dólar seja cambiado em reais, para pagar aos exportadores internos. Ora, o Banco Central e o Tesouro, pressionados pelos díficits constantes há anos no seu Orçamento Público, não possuem moeda corrente, como superávit para pagar a toda esta conversão monetária obrigando então a EMISSÃO INFLACIONARIA DE REAL que INTERNALIZA A INFLAÇÃO EM DÓLAR EXISTENTE DO MUNDO e que passa com uma corrente de transmissão dos EUA, para a China e desta para o Brasil. Assim a Dívida Pública cada vez cresce mais detonando a possibilidade de ser superavitária num possível horizonte de eventos!!! Com o start ou deflagração desta crise que leva à desindustrialização, desemprego, crise privada e pública com anulação do possível desenvolvimentismo ou da teoria de Celso Furtado aliada à visão de Sir Maynard Keynes, levando a debacle e o AUMENTO DO RISCO BRASIL que faz com que, em face da inadimplência pública federativa, estados , municípios e união, aliada às falências privadas, aumente o risco e na proporção OS JUROS BANCÁRIOS QUE SE TORNAM USURÁRIOS em mais de 300% ao ano não havendo produção, em termos de economia física, que possa remunerar tantos déficits sobre déficts que se alongam em negociações para o futuro dilacerando e terminando, PARA O FUTURO, com o conceito de CRÉDITO pois o futuro se transforma num grande buraco negro aliado aos déficits dos demais estados nacionais, que num processo de emulação, emitem como os americanos, todos juntos desvalorizando suas moedas em conjunto, como se fossem os pingos de uma chuva, em que cada pingo ou estado tem à sua velocidade de emissão e desvalorização, na proporção da pressão de suas dividas internas!!!!! Assim GUERRA DAS MOEDAS TRAZ jungidos os conceitos de Dumpings Monetário e Social aliados à MAIS VALIA COMPLESSIVA em face dos milhões de trabalhadores, somando-se este universo às equações econômicas de CENTRO PERIFERIA de Raul Prebisch e a equação econômica de Robert Mundell, premio nobel de economia, que expressa , em seus modelos de acoplamento, em razão da interação entre estados através do multilateralismo de Bretton Woods, o fenômeno da importação e exportação de inflações oriundos da emissão ou expansão da sua base monetária.

                                               CONCLUSÃO:   Felicito ao Ministro Paulo Guedes por agir corretamente equalizando os fatores iniciais chegando, no entanto à CONCLUSÃO que eles são importantes mas, NO ENTANTO, em faze da exposição retro, NÃO SÃO SUFICIENTES para alterar nossa situação de ESTAGNAÇÃO ECONÕMICA ORIUNDA DA INFLUÊNCIA GRAVITACIONAL DA CHINA E DOS ESTADOS UNIDOS pois aquela é um subsistema que transmite às irradiações inflacionárias em dólar daquele agravadas pela sua defesa interna, que com intelegencia, a la Sung Tzu, de certa forma anula estas desvantagens para ela, com seus dumpings e mais valia, transmitindo, no entanto estes defeitos teratológicos para seus parceiros que sofrem de desemprego, desindustrialização, incremento da dívida pública, déficits rumando todos para erupções revolucionarias, como no norte da África, cujo rastilho cessou na Síria e Turquia em razão da divisão e demarcação da anterior guerra fria das zonas de influência americano\russa!!!

                                               DIAGNÓSTICO DO GOVERNO BOLSONARO  :   PIB ZERO OU PRÓXIMO COM AGRAVAMENTO DOS SINTOMAS POIS AS PROVIDÊNCIAS OBTIDAS SÃO UMA MERA CORREÇÃO DE FLUXO DE CAIXA QUE NÃO ESTANCAM A SANGRIA TERRÍVEL DOS ´DEFICITS…..

O GOLPE BOLSONARIANO

2012-06-04-104

 

JURIDICAMENTE QUEM MANDA NO PAÍS É O CONGRESSO NACIONAL QUE É A SOMA DAS CASAS DO SENADO E DA CÂMARA. ESTA CONFIGURAÇÃO JURÍDICA DE NOSSO CONSTITUCIONALISMO FOI DESENHADA APÓS OS REGIMES DE FORÇA DE 1937 E 1967/1969 POIS AMBAS AS CONSTITUIÇÕES, RESPECTIVAMENTE, A DE 1946 E A DE 1988 SÃO EGRESSAS DOS REGIMES DO TENENTISMO DO CEDO, BRAÇO MILITAR DE GETÚLIO VARGAS E DO TENENTISMO DO TARDE, OS EMBLEMÁTICOS MARECHAIS CORDEIRO DE FARIAS E JUAREZ TÁVORA, AMBOS TENENTES EM 1924 E QUE ERAM INTERVENTORES SOB VARGAS SENDO POSTERIORMENTE FIGURAS EMBLEMAS DA REVOLUÇÃO DE 1964. ASSIM, PARA QUE A FORÇA NÃO IRROMPESSE MAIS NA REPUBLICA, O PODER DO EXECUTIVO FOI CASTRADO E ENFRAQUECIDO SENDO DE CERTA FORMA PARLAMENTARIZADO POIS O PRESIDENTE QUE ERA CHEFE DE ESTADO E DE GOVERNO FOI TRANSFORNADO NUMA FIGURA DECORATIVA , COMO UMA RAINHA OU REI QUE REINA MAS NÃO GOVERNA, BUSCANDO SEMPRE SE ALINHAR E PERSEGUIR UMA MAIORIA PARLAMENTAR QUE LHE DÊ SUSTENTAÇÃO E FICTICIAMENTE UMA MERA APARÊNCIA DE VOZ DE COMANDO POIS QUEM COMANDA MESMO, NA REALIDADE, SÃO OS PRESIDENTES DA CÂMARA E DO SENADO AFINADOS UM COM O OUTRO. A CONFIGURAÇÃO JURÍDICA E NÃO POLITICA, NO BRASIL, É ESTA. NÃO TEMOS UM PRESIDENTE TIPO AMERICANO TEMOS UM REI EXUPERIANO QUE SONDA O CONGRESSO PARA ONDE QUER IR E ADAPTA SUA VONTADE À ESTE CONGRESSO. TODOS OS PRESIDENTES QUE QUISERAM GOVERNAR COMO PRESIDENTES AMERICANOS E CONTRA ÀS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS, TODOS ELES FORAM APEADOS DO PODER OU POR RENÚNCIA OU POR IMPEACHMENT, COMO JÂNIO QUADROS, COLLOR DE MELO E DILMA!!! FHC E LULA OU INTUIAM ESTA VERDADE OU À SABIAM! NOS SEGUNDOS PERIODOS COMPRARAM AVIÕES E FORAM VIAJAR PELO MUNDO DEIXANDO PRIMEIROS MINISTROS NA CASA CIVIL!!!!!! EU COMO PROFESSOR DE DIREITO CONSTITUCIONAL POR 35 ANOS SEI ÀS CONFIGURAÇÕES DETERMINANTES E JURIDICAS DO MODELO DE 1988 QUE CONVENCIONOU-SE CHAMAR DE PRESIDENCIALISMO DE COALIZÃO POIS SEM ESTA COALIZÃO NÃO HÁ NEM É POSSIVEL O GOVERNO. O SENHOR JAIR BOLSONARO, EM QUEM VOTEI, AGORA ELE E SEUS FILHOS NAS REDES SOCIAIS INCITAM A CLASSE MÉDIA, QUE NÃO ESTUDOU NEM CONHECE DIREITO CONSTITUCIONAL, ESTIMULA-OS PARA QUE, COM O APOIO DA CLASSE MÉDIA NAS RUAS, AQUELA QUE PODE PAGAR SUAS COXINHAS E QUE PAGA IMPOSTOS, INCITA-OS À UM GOLPE CONSTITUCIONAL CONTRA O CONGRESSO SEJA O SENADO E À CÂMARA E AINDA O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL! EU VOTEI EM BOLSONARO PARA PRESIDENTE NÃO TENDO VOTADO NELE PARA SER O DITADOR!!! A ÚNICA FORMULA JURIDICA DE MUDAR ESTE SISTEMA EM QUE O CONGRESSO BEM DIZER GOVERNA É UMA CONSTITUINTE COM A TROCA DA CONSTITUIÇÃO E SE FAZENDO PROFUNDAS REFORMAS ELEITORAIS, POLÍTICAS E PARTIDÁRIAS! NÃO HÁ OUTRA FORMA LEGAL E CONSTITUCIONAL POIS QUERER FECHAR CONGRESSO E SUPREMO É AGIR CRIMINOSAMENTE CONTRA À ORDEM JURÍDICA INSTITUIDA ATUALMENTE. SE BOLSONARO, COMANDA DO EXECUTIVO UMA SUBLEVAÇÃO OU REVOLUÇÃO CONTRA À ORDEM JURÍDICA TERÁ DE TER O PODER ORIGINÁRIO DAS RUAS COM HEGEMONIA TOTAL POIS SE NÃO TIVER, TANTO SEUS APOIADORES OBRAM EM CRIME CONTRA O STATUS QUO JURÍDICO COMO O PRÓPRIO BOLSONARO E SEUS APOIADORES ,INSERIDOS NO PODER E FORA, PODERÃO SER DEFENESTRADOS E PROCESSADOS POR ABUSO DE PODER, SUBLEVAÇÃO CONTRA A REPUBLICA, A CONSTITUIÇÃO E SUAS LEIS!!!! NÃO SE PODE COMBATER À IGNORÂNCIA DA ESQUERDA E SEU GOLPISMO SÃO PAULINO, QUE CORROMPEU E SAQUEOU À NAÇÃO COM UMA RESPOSTA TRUCULENTA E ENSANDECIDA QUE PRETENDA COLOCAR O PAÍS SOB A HEGEMONIA DE UMA FORÇA, ANÁLOGA À PRIMEIRA, QUE TENHA POR CONVICÇÃO O DISSENSO DE SER DIFERENTE E MAIS JUSTA QUE A PRIMEIRA POIS AMBAS VIOLENTAS, DISCRICIONARIAS E DITATORIAIS POIS OS CONTRÁRIOS SE ASSEMELHAM E SÃO ANÁLOGOS EM SEUS MÉTODOS DE EXECUÇÃO E GOVERNO QUANDO SUBSTITUEM À DISCUSSÃO E A DEMOCRACIA PELA IGNORÂNCIA DA FORÇA E DAS BAIONETAS!!!! AMBOS OS LADOS GOLPISTAS DESCONHECEM, NUM SISTEMA DE GANGORRA OU PENDULO, QUE O SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO É DE HARMONIA ENTRE LIBERDADE E IGUALDADE E ISTO É DIZER ENTRE O CAPITAL E TRABALHO POIS TODAS AS CONSTITUIÇÕES DE 1934 ATÉ 1988 E HOJE , SÃO PARTÍCIPES DO BLOCO DE CONSTITUCIONALIDADE SOCIAL DEMOCRATA BRASILEIRO, COMO A EUROPA ATUAL E COMO OS EUA DE FRANKLIN DELANO ROOSENVELT TIVERAM , VIVERAM SENDO QUE A EUROPA ATÉ HOJE NELE SE ENCONTRA. QUERER DESTRUIR ESTE BLOCO HISTÓRICO CONSTITUCIONAL DE HARMONIA E MÚTUO RESPEITO ENTRE CAPITAL E TRABALHO É DA MESMA FORMA OBRAR DE FORMA MENDAZ E ILEGAL CONTRA À CONSTITUIÇÃO VIGENTE E O BLOCO HISTÓRICO DE CONSTITUCIONALIDADE POIS OS EXTREMOS QUE PUGNAM, CAPITALISMO E LIBERALISMO CONTRA O COMUNISMO E IGUALITARISMO OU UM OU OUTRO SÃO AMBAS AS FORMAS DE VISÃO ILEGAIS E IRREAIS POIS NUM PAÍS EM QUE A MAIORIA É DE EXCLUIDOS OU TRABALHADORES , QUERER AGORA, DAR UM GOLPE E VENDER OS ATIVOS DA PÁTRIA E NAÇÃO RETIRANDO OS DIREITOS DOS TRABALHADORES TAMBÉM É UM GOLPE TÃO SUJO E SEMELHANTE AOS QUE OS COMUNISTAS QUERIAM IMPOR HÁ POUCOS MESES À NAÇÃO TRANSFORMANDO-NOS NUMA ODIENTA DITADURA E REPÚBLICA POPULAR! QUOSQUE TANDEM CATILINA ABUTERE PATIENTIA NOSTRA PROFESSOR SÉRGIO BORJA CONTRA A CORJA !!!!

MENSAGEM DE PÁSCOA AOS EXTREMISTAS LIBERAIS E COMUNISTAS INTERNACIONALISTAS

FB_IMG_1553859728543

MINHA MENSAGEM DE PAZ E AMOR NESTA SEXTA FEIRA SANTA ÀTODOS  BRASILEIROS!!

O autor Ortega y Gasset escreveu A REVOLUÇÃO DAS MASSAS e acreditava no governo das Excelências que são os POUCOS MAIS INTELIGENTES é um LIBERAL que como Ludwig Von Misses, Ayn Rand e outros preleciona o egoismo racional que atua através da potencialização da Liberdade e do Mercado e que levará inevitavelmente à extinção do ESTADO NACIONAL COM SEUS FUNCIONÁRIOS pois todo o liberal ODEIA O ESTADO E LOGICAMENTE NA RAZÃO DIRETA SEUS FUNCIONÁRIO . Ambos liberais e comunistas, nas suas utopias finais pretendem AMBOS reafirmo à extinção total do Estado Nacional. Os primeiros liberais pela porta da Liberdade e do Mercado impulsionado por ela e os segundos, os Socialistas, pretendem ao contrário construir à extinção do Estado pela porta da Igualdade coletiva que ao fim e ao cabo levará pela porta da Igualdade à sua utopia Comunista com a sinergia da igualdade atingindo aí a liberdade com a extinção da Ditadura do Proletariado e seu Estado e a implantação da utopia comunista! Ambos, comunistas e liberais são INTERNACIONACIONALISTAS são partidos e forças politicas que atuam no planeta inteiro pugnando entre si pois destoam sobre qual a porta que leva à utopia: Uns acreditam que só abrindo e potencializando à Liberdade e os outros acreditam que só abrindo à porta da Igualdade mas ambos acreditando, por caminhos diferentes, terminar e extinguir o Estado que é fator de opressão contra o ser humano! Marx, Lenin e Ludwig Von Misses e Ayn Rand concordam todos nas suas utopias finais com o fim do Estado.Norberto Bobbio jus filosofo afirma que a Liberdade é um estar do Eu…eu…o egoismo! Sendo a igualdade à relação entre o Eu e o outro Eu ou o Alter Ego não em termos freudianos mas em termos topográficos e assim o valor do altruísmo aquele que visa o alter ego ou o outro e assim o coletivo ao inverso do privado como querem os liberais….os franceses viram que o Estado é composto de uma área privada e outra publica como dizia Ulpiniano sobre a divisao do DIREITO PRIVADO E O PÚBLICO dizendo que se dividia pelo critério do interesse sendo privado o que interessaria ao Ego e publico o que interessaria ao Alter Ego coletivo, o NÓS!! Assim a dicotomia ou o maniqueismo introjetado já historicamente na natureza humana dividida entre egoismo e altruísmo ! Os franceses, neste setor criaram uma trilogia SEMIÓTICA que deveria reger a Sociedade e Estado, a Liberdade, Igualdade e Fraternidade…mas na revolução francesa um socialista idealista Gracus Babeuf que criou o Babuvismo e a SOCIEDADE DOS IGUAIS acusou os revolucionários de potencializarem à Liberdade em detrimento da Igualdade e assim apostrofou à revolução maldizendo seu resultado dizendo: Aqui já existem na revolução os mais iguais entre os iguais cindindo assim o triangulo justo e perfeito da revolução que soldava liberdade e igualdade já fracionadas pelo principio da FRATERNIDADE E RECONHECIMENTO PELO AMOR ENTRE OS SEMELHANTES! É Bernstein que faz o revisionismo junto com Karl Renner , Hugo Preuss e outros criando o caminho do meio uma equidistância entre o Liberalismo e o Comunismo antipodas maniqueistas pois conciliando Trabalho e Capital e extinguindo o conceito marxista leninista de Guerra de Classes harmoniza os dois fatores de produção criando uma legítima mesotes aristotélica entre a possivel FRATERNIDADE DE LIBERDADE E IGUALDADE SEJA CAPITAL E TRABALHO HARMONIZADOS! GETULIO VARGAS aqui no Brasil e Franklin Delano ROOSENVELT, presidente americano com seu New Deal tiraram seus países da bancarrota de 1929 recolocando-os na senda da virtude e do franco progresso. É assim que a Alemanha fez, depois de ser vencida e massacrada toda sua infraestrutura em duas guerras, sem disparar um tiro de fusil, unir-se com o restante da Europa absorvendo todo o leste europeu antes sob a URSS para criar uma nação pós moderna regida sob a égide da Social Democracia que é um meio termo entre Capitalismo e Socialismo. Aqui no Brasil sofremos ainda os males descritos pelo filósofo Jurgüem Habermas pois o ESTADO NACIONAL com sua carga mal presa e sem contêineres oscila como pêndulo ou gangorra ou para o lado liberal ou para o lado SOCIALISTA revigorando a temáticas superadas da velha guerra fria. É a luta entre Liberais e Comunistas que destrói o acervo CONSTITUCIONAL de 89 anos de Constitucionalismo Social criado por Getulio Vargas e os tenentes do cedo Siqueira Campos heroi dos 18 do Forte que ajudando Vargas trouxe para sua liderança todos os tenentes da coluna Prestes com exceção de Luiz Carlos que ficou comunista deservindo ao pais como súdito de Moscou e seu regime comunista stalinista! Os tenentes Juarez Távora, Cordeiro de Farias João Alberto Lins e Barros ainda com Siqueira Campos posteriormente falecido em desastre aviatorio é que, com Vargas e o GENERAL Góis Monteiro, catapultaram o desenvolvimentismo brasileiro de quem tanto se ufanava e fez escola como Celso Furtado. Em 1964 os Marechais Cordeiro de Farias e Juarez Távora foram chefes emblemático da revolução do TENENTISMO TARDIO pois sem mexer e alterar uma virgula no pacto HARMÔNICO do CAPITAL E TRABALHO catapultaram o Brasil sob o governo dos generais Castelo Branco, Costa e Silva, Medice, Ernesto Geisel e João Figueiredo filho do General Euclides Figueiredo chefe militar com o general Klinger da revolução constitucionalista de 1932 em São Paulo!!! Assim construiu-se um bloco histórico constitucional de constitutivos de 1934, 1937, 1946, 1967 , 1969 e 1988 que formam até agora, 2019 o maior bloco histórico constitucional do Brasil, possuindo estas constituídos além da parte dogmatica que diz respeito aos direitos fundamentais a parte organica que organiza o Estado no espaço e tempo, isto é dizer a federação e o Presidencialismo Republicano eletivo além dos Direitos Sociais relativos ao Direito do Trabalho, o Direito Previdenciário e o Fim Social da Propriedade ! Os militares de 1964 não alteraram uma vírgula do Pacto de HARMONIA entre Trabalho e Capital retirando a Guerra de Classes marxista leninista e construindo a harmonia entre capital e trabalho resgatando o triangulo equilátero francês da Liverté, Egalité mas com muita Fraternité ou Amor entre irmãos, Capital e Trabalho que os extremistas aficionados ou só da Liberdade ou só da Igualdade querem banir do direito, da politica e da relação cristã de amor entre os irmãos e srmelhantes que se realiza ATRAVÉS da PLENA COMUNHÃO DA FRATERNIDADE COMO QUERIA NOSSO GRANDE MESTRE E FILÓSOFO NOSSO SENHOR JESUS CRISTO falecido neste dia em que hoje se comemora o aniversário na certeza de sua RESSUREIÇÃO e da ressurreição de sua mensagem de paz e harmonia evitando os excessos como prelecionava ARISTÓTELES em sua Ética a Nicomaco combatendo os extremistas e intolerantes com o meio termo entre os opostos! Eu digo GLÓRIA À DEUS NAS ALTURAS E PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA VONTADE!!! Há de se salvarguardar a Social Democracia de seu mal maior seja à corrupção de seus proprios fundamentais pois o homem em busca do PODER e sua permanência que à tudo desfigura, através do populismo e da demagogia, perverte a Social Democracia através da outorga de facilidades, benesses e privilégios distribuidos aos votantes que comprados e adulterados por suas fraquezas solapam o regime através da abolição da lei da livre concorrecia dos mais aptos e capacitados,que segundo Saint Simon deveriam ocupar pela meritocracia às oposições ” segundo suas capacidades mas na proposição direta de suas labutas!” Toda a trapaça ou toda a facilidade que retira à luta individual e meritória por sua vitoria como glória de cada um é a corrupção deste principio! Getulio Vargas e Franklin Delano, como humanis, se reelegeram agindo contra seus principios gerais fazendo de suas glórias exemplos de como na persecução da FRATERNIDADE e de sua manutenção não se deve proceder permanecendo indefinidamente no poder e criando mecanismos de compra de voto para manter este mesmo poder!

ALEXANDRE DE MORAIS QUEBRA A TRIPARTIÇÃO DO PODER!


O ministro Alexandre de Morais abrindo inquérito com base no Regimento Interno do Supremo e da Lei de Segurança Nacional quebra a TRIPARTIÇÃO do PODER CONSTITUIDO CONSTITUCIONAL que possui três funções,  legislar, executar e julgar! O Poder Judiciário é regido pelo princípio que se projeta no brocardo latino: ” Nemo iudex sine actore!” Não há juiz sem autor.  O autor ou é o Ministério Publico como Custus Legis ou como Fiscal da Lei detentor do jus persequendi ou, ainda, da cidadania na defesa de direito próprio ou no exercício do direito subjetivo público de defesa das instituições como nas ações heroicas coletivas ou individuais ou na própria defesa de direito próprio subjetivo. A funcionalidade restrita da função de só julgar ou de prestação do poder jurisdicional é exercida com esta e sob esta contenção sendo defeso ao mesmo o exercicio do juízo de oficio inquisitorial! Agindo assim, ao arrepio da regência fulcral do seu exercício jurisdicional o ministro exacerba com abuso de poder podendo ser enquadrado nos delitos de Abuso de Poder e de Autoridade pois agindo fora de sua competência originária. O delito se agrava em razão de um Magistrado Ministro da Suprema Corte à quem este conhecimento como constitucionalista e como autor de livros na área de direito constitucional, deveria obstaculizar sua ação temerária ao arrepio do direito e da Constituição Federal. O Poder Judiciário não é proativo ele necessita ser provocado. QUOSQUE TANDEM CATILINA ABUTERE PATIENTIA NOSTRA PROFESSOR SÉRGIO BORJA!

 

APONTAMENTOS MENEMÔNICOS NO FACEBOOK SOBRE O GRANCHISMO

FB_IMG_1555166029267

ESTE KIT MATE GANHEI NUMA CONFERÊNCIAS EM ITAQUI!! MANDO UM ABRAÇO PARA A QUERIDA FAMÍLIA MONTEIRO DE LÁ QUE CONHECIAM O MEU AVÔ JANGOTA PEREIRA E FAMILIARES E ME RECEPCIONARAM, HÁ UNS 20 ANOS ATRÁS, NUM ALMOÇO EM FAMILIA! NUMA ABA DO FACE FALEI ME LEMBRANDO DO EVENTO: ” Tava olhando este kit mate de couro e descobri o nome ITAQUI e me lembrei que ganhei este presente numa conferência dada no teatro Predszywlzy ( para bom entendedor…kkk) sobre a reengenharia da desapropriação de terra pelo Incra à favor do Mst, da reengenharia cranschiana de FHC para desmontando a Plantation Fazendas e Estancias subjugar os pobres retirados do anel de violencia, miséria e fome que cerca as cidades para transforma-los em neo com terras num sistema Just and Time Toyotista agregado a um sistema INTEGRADO em que multinacionais tipo Sadia e Perdigao firnecendo leitões, patinhos, pintinhos, peixes ou vaquinhas, tivessem, sem assinar carteira de trabalho, pois com terras, assentamentos trabalhando cativos num neo regime de cantina trabalhando para as multinacionais que viriam com a SIMETRIA MONETÁRIA DO REAL ( para os broncos a igualdade de valor entre real e dólar no plano real) Como tudo fracassou ficaram os sem terras sem multinacionais para trabalhar e transformaram-se em favelas rurais fracassando FHC, LULA e Dilma neste item de reengenharia cramchiana da União do socialismo com o capitalismo que é a visão de Antonino Granschi que substitui a guerra de classes pela autofagia de classes onde, sob FHC os bancos e industriais da cidade entregavam os fazendeiros da Plantation aos sem terras e socialistas e ficavam muito bem na cidade com os votantes comunistas, na reengenharia,trabalhando alugados sem CTPS para os capitalistas…o pior é que explico e explico e a pouca massa cinzenta ao meu redor é que mal entende…pior ainda é a preguiça de ler….” O problema é que tudo deu errado e, paradoxalmente, contra os socialistas, comunistas, intelectuais granchistas como FHC e Jorge Soros internacionalista,tudo deu ERRADO com a implementação da teoria de Robert Mundell fallando o plano de estabelecimento da SIMETRIA MONETÁRIA para o acoplamento das ASSIMETRIAS DE PRODUÇÃO DE INSUMOS E PRODUTOS AGREGADOS OU NÃO restando a maldita PLANTATION que trabalha em regime extensivo e mecanizada, com pouca mão de obra utilizada, como SOBREVIVENTE sobre os escombros da economia ( FHC que deveria ser julgado e CONDENADO À MORTE com seus assessores Ministros da Economia e Banco Central pois individaram o pais em 760 bilhões torrando em duas semanas 70 bilhões de divisas em dólar tudo para rasgar à constituição e implantar à REELEIÇÃO que criou o Inferno Constitucional que vivemos com a quebra dos freios e contrapesos e a indicação de satrapas amigos do rei para os Tribunais Superiores e cargos na UNIÃO e federação loteada por seus jagunços) Pois ironicamente AS FAZENDAS E ESTÂNCIAS É QUE SUSTENTAM NO AGRO NEGÓCIO O PIB BRASILEIRO COM SUAS VANTAGENS COMPARATIVAS VENCENDO A PRODUÇÃO AGRICOLA DOS EUA E DA EUROPA, QUE CONTRARIANDO A OCM E O GATT SÃO SUBSIDIADAS PELO ESTADO viu liberais de merda brasileiros pouco lidos…o capitaliamo americano é sustentado por lavouras SUBSIDIADAS PELO ESTADO SEUS MERDAS IGNORANTES vou usar os palavrões deste filosofo de araque deles….QUOSQUE TANDEM CATILINA ABUTERE PATIENTIA NOSTRA !! O PIOR SUPLÍCIO É SER ENTERRADO VIVO ANTE A IGNORÂNCIA E A INVEJA DE SEUS COEVOS!!! EU NÃO NASCI BURRO…DAQUI HÁ TRINTA ANOS SETEI EXUMADO E DESENTERRADO E TEREI MINHA GLÓRIA DE BAIXO DA BOA TERRA ENTERRADO COM MEUS PAIS E IRMÃO ALI NO CEMITÉRIO DA SANTA CASA ONDE REPOUSAM SÓ OS HERÓIS DA PÁTRIA E RIO GRANDE ALTANEIRO POIS É EM CIMA DE UM CORCEL QUE VIVO EMPUNHANDO MINHA ESPADA E MINHA AUDÁCIA CUJO FIO É A INTELIGÊNCIA E A PERSPICÁCIA DA NITIDEZ DAS IMAGENS!!! TENHO DITO!!!

 

ALÉM de Professor de Direito Constitucional fui professor de Relações Internacionais e Direito Agrário,  este ultimo na Ufrgs Faculdade de Direito e nesta razão meu dominio destas questões.  Também escrevi livros sobre regionalismo e  Tratados Multilaterais !

DITADURA NA MÁ INTERPRETAÇÃO DO 142 OU DEMOCRACIA COM TOLERÂNCIA!!!

FB_IMG_1553859728543

Atenção, Sergio Moro (mais conhecido como @SF_Moro) até no twiter tem de imitar o chefe!
POBRE MORO TEM DE SE SUBMETER AOS NEURÔNIOS ATROFIADOS E DIMINUTOS DE SÓ NO TICO E SÓ NO TECO NO SAMBA DE UMA NOTA SÓ SEGURANÇA ARMAS E REDE QUE ELEGEU NOSSO PRESIDENTE QUE TERIA DE ALARGAR HORIZONTES MAS NÃO PASSA DO QUE É DO TAMANHO MEDÍOCRE DA NOSSA GENTE ANALFABETA E SEM PERSPECTIVAS! PELO MENOS VAMOS. MELHORANDO, VOTEI NO HOMEM! NÃO BEBE E NÃO É LADRÃO E ISTO JÁ SÃO DOIS PASSOS À MAIS! MAS TAMBÉM NÃO É POPULISTA NEM DEMAGOGO E NEM É DA TURMA DO QUEM INDICA! ISTO JÁ MELHORA MUITO! MAS NEGOCIAR COM CRITÉRIO, MESMO COM O INIMIGO MANTENDO-SE A REGRA DA CORREÇÃO E DO MANDAMENTO QUE CONTA CERTA CONSERVA O AMIGO HÁ DE SE FAZER POIS VIVEMOS NA MULTIPLICIDADE, NA DIVERSIDADE, NO ARCO ÍRIS E TEMOS QUE CONVERSAR COM TODAS ÀS CORES INCLUSIVE COM O INIMIGO QUE NOS FAZ MELHORES EM RAZÕES PARA COMBATE-LO E RAZÕES PARA ENTENDE- LO, COMO O PT E O PSOL E OS COMUNISTAS POIS SENÃO MARCHAREMOS PARA UM REGIME DE HEGEMONIA DE UMA SÓ COR!!! COM PARTIDO ÚNICO!!! TEOCRÁTICO? ARQUILIBERAL? MILITAR? ULTRADIREITISTA? TODAS AS ALTERNATIVAS SÃO BOAS SÓ PARA ÀQUELAS CORES ESPECIFICAS NELES CONTEMPLADAS SENDO EXCLUDENTE DAS DEMAIS!!! O REGIME DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO TRAZ IMPLÍCITA A CONVIVÊNCIA DENTRO DA MULTIPLA DIVERSIDADE O MENOS POSSIVEL EXCLUDENTE! ELE SÓ NÃO PODE TOLERAR OS INTOLERANTES QUE NA SUA INTOLERÂNCIA EXTERMINAM COM A MATRIZ DA TOLERÂNCIA!!! COMO O NAZISMO , O ESTALINISMO E A INQUISIÇÃO TEOCRATICA QUE, EM NOME DE DEUS,QUEIMOU NAS FOGUEIRAS, TORTUROU, E PERSEGUIU SUAS VITIMAS COMO CONTOU ALDOUS HUXLEY EM SUA GRANDE OBRA CONTRA A INTOLERÂNCIA POLITICA E RELIGIOSA: ” LOS DEMÔNIOS DE LOUDUM!” QUOSQUE TANDEM CATILINA ABUTERE PATIENTIA NOSTRA ! CONTRA A CORJA JÁ VELHO O INCANSÁVEL SÉRGIO BORJA!

FOLHA DE SÃO PAULO HOJE 05.03.2019

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou nesta quinta (4) que a criação de um perfil pessoal no Twitterpara informar ações da pasta foi incentivada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ao lado do presidente em vídeo ao vivo nas redes sociais, brincou: “se der errado, a culpa é dele [Bolsonaro]”.

A REFORMA PREVIDENCIÁRIA É SOBRE UM EFEITO DA CAUSA DA CRISE DO BRASIL

20180807_173922A REFORMA PREVIDENCIÁRIA DE GUEDES ATINGE E CUIDA DE UM DOS EFEITOS OU SINTOMAS DA REAL CRISE NO BRASIL! A CRISE TEM COMO FULCRO, CENTRO OU NÚCLEO DURO, O ACOPLAMENTO COMERCIAL DO BRASIL COM SEU MAIOR PARCEIRO, A CHINA!  A CHINA CONFORME A EQUAÇÃO DE RAUL PREBISCH, NA CEPAL, CENTRO/PERIFERIA, AO MESMO TEMPO QUE COMPRA A MAIOR PARTE DO SUPERAVIT DO AGRO NEGÓCIO CONCOMITANTEMENTE CONDICIONA O PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRO CRIANDO MAIS EMPREGOS LÁ E MENOS EMPREGOS AQUI. DA MESMA FORMA PELA EQUAÇÃO PROPOSTA POR ROBERT MUNDELL ESTE ACOPLAMENTO IMPORTA A INFLAÇÃO DA DÍVIDA PUBLICA NACIONAL, PELA AQUISIÇÃO DE DÓLARES PELO BANCO CENTRAL AO MESMO TEMPO QUE REBAIXA OS PREÇOS DE NOSSAS COMMODITIES AGRÁRIAS CRIANDO UM CICLO VICIOSO EM QUE O ESTADO NACIONAL CADA VEZ ESTÁ MAIS INDIVIDADO E ANÊMICO E A SOCIEDADE CIVIL ASFIXIADA ANTE À CARGA DE IMPOSTOS, REGULAÇÕES E FALTA DE ESTRUTURA DESTE ESTADO EM IMPLOSÃO EM RAZÃO DE SEU INDIVIDAMENTO NA CASA DE UM ( 1) TRILHÃO DE DÓLARES!

 

Assim é, que eu nos anos 90, especificamente em 1993 havendo sido convidado para estudar o regionalismo, fazendo uma conferência sobre Mercosul, enveredei, pelas relações intrínsecas, pelo estudo do multilateralismo e o estudo dos entes de Bretton Woods coincidindo estes estudos e este interesse com a implantação do Plano Real de Fernando Henrique Cardoso que, para mim, era um tipo de currency board legal, em que as moedas das diferentes nacionalidades mantinham seus nomes, a fim de preservarem externamente a soberania, mas, de alguma forma estabeleciam uma placa tectônica, vamos dizer analogamente assim, de moeda indexada ao dólar americano. Para conhecimento deste processo eu teria de conhecer a inspiração inicial deste modelo que vinha do cérebro de um dos economistas mais festejados da época e que ganhou o prêmio Nobel por seus estudos que foi Robert A. Mundell. O modelo de Mundell não deixava de ser um estudo integrativo ou de interatividade entre sistemas monetários nacionais, uns sobre os outros, e, sendo a moeda, como querem alguns uma comoditie, não deixando este tipo de inteiração manifestar uma relação próxima com os conceitos de imput – outuput de Leontief e da mesma forma manter uma relação intima com a Teoria Geral dos Sistemas de Bertallanfy, numa analogia com os sistemas interativos. Os americanos sabiam, na época, que a União Europeia iria estabelecer uma placa monetária única em toda a Europa unificada e isto poderia trazer algum distúrbio ao seu monopólio mundial de ter mais ou menos 70% do comércio mundial solvido contabilmente em dólar!!! Assim é que em vários países e notadamente no cone sul da América do Sul, as duas maiores economias, Argentina e Brasil, uma com Menem e a outra com Fernando Henrique Cardoso, da mesma cepa liberal de Mundell, passaram a implantar um sistema de paridade monetária com o dólar sendo acompanhados de outros países como o Equador que perseverou ainda por mais tempo que ambos neste devaneio. Desta forma tive que tomar contatos com a teoria de Mundell que estava basicamente sobre o seu trabalho Uma Teoria das Áreas Monetárias Ótimas, escrita em novembro de 1961 quando Mundell era economista da Secção de Investigações Especiais do Fundo Monetário Internacional.
Diz Mundell neste trabalho:
“É evidente que as crises periódicas das balanças de pagamentos seguirão sendo uma característica integral do sistema econômico internacional enquanto as taxas de cambio fixas, os salários e os níveis de preços rígidos impeçam que os termos de intercâmbio desempenhem sua função natural no processo de ajuste. Não obstante, é muito mais fácil discutir o problema e criticar as alternativas do que fazer recomendações construtivas e factíveis para eliminar o que se há convertido em um sistema de desequilíbrio internacional. Infortunadamente, o presente artigo ilustra esta proposta advertindo contra a factibilidade, em certos casos, da alternativa mais aceitável: um sistema de moedas nacionais vinculadas mediante taxas de cambio flexíveis. Os defensores do sistema de tipos de cambio flexíveis (Friedman 1953, Lutz 1954 e Meade 1955) os apresentaram como um mecanismo mediante o qual a depreciação pode tomar o lugar do desemprego quando há déficit na balança externa, e a apreciação pode substituir a inflação quando há superávit. Surge então a pergunta de se todas as moedas nacionais existentes devem ser flexíveis. Se se deve liberar a libra ganesa para que flutue com o resto das moedas ou as moedas da atual área monetária esterlina devem permanecer atadas a libra esterlina? Ou, supondo que os países do Mercado Comum avancem em seu projeto de união econômica devendo se permitir flutuação em cada moeda nacional ou seria preferível uma só área monetária?” Mundell metodologicamente analisa em vários capítulos deste trabalho em destaques interessantes como: Áreas Monetárias e Moedas Comuns; Moedas Nacionais e Tipos de Cambio Flexível; Áreas Monetárias Regionais e Tipos de Câmbio Flexíveis; Uma Aplicação Prática; Limites Superiores ao Número de Moedas e de Áreas Monetárias terminando sua abordagem com um Comentário Final. Esta em síntese a teoria monetária que estabeleceu a equação de Simetria monetária para a concatenação e a vinculação do inter-relacionamento das assimetrias econômicas juntamente com as chamadas vantagens comparativas.
Outro sistema integrativo de visão econômica é aquele aparato fornecido pela escola da CEPAL. A Comissão Econômica para a América Latina foi constituída em 1948, por uma decisão da Assembleia Geral das Nações Unidas em 1947. A noção de Centro\Periferia é uma das criações da CEPAL que, integrada as demais visões, como se fora num Jogo de Avelórios de Hesse, faculta vislumbrar uma visão integrada do processo econômico e monetário do Brasil em sua inserção mundial. Há de lembrar aqui um conceito criado no âmbito da América do Sul, pelos economistas autóctones latino-americanos estabelecidos na CEPAL com sede no Chile. Raul Prebisch e todo o séquito de exilados brasileiros como Celso Furtado, Fernando Henrique Cardoso e Maria Conceição Tavares entre outros, que criaram, sob a liderança do grande economista argentino Raul Prebisch o conceito econômico de CENTRO\PERIFERIA!!! Sim!! Este conceito demonstrava como as plantas econômicas dos demais países emergentes ficavam condicionadas aos países centrais que já tinham passado por todas as outras fases de evolução do capitalismo, passando do mercantilismo, pela revolução industrial e coroando esta com plantas de industrialização e financeiras, como a Inglaterra, que condicionavam a transformar a periferia em meros fornecedores cativos de mercadorias ou comodities para estes centros. Iludiam-se assim os economistas que pensavam que as nações cresciam num processo contínuo passando por todas as fases até chegarem ao seu apogeu de industrialização e sofisticação rentista de um capitalismo avançado como se fossem as fases inexoráveis do desenvolvimento de qualquer ser vivo que primeiro nasce e é um neném, depois uma criança, um jovem até chegar a maioridade e maturidade e depois envelhecer. Não, as plantas de produção dos países em desenvolvimento ou periféricos ficariam condicionados e congelados num só estágio como fornecedores cativos de mercadorias advindas de suas chamadas “vantagens comparativas”. Estas vantagens comparativas seriam aquelas fornecidas pela natureza e pela mão de obra e clima de um país que otimiza a produção, pela localização de minas em seu território, pela condição de terras ricas e clima especial para a produção de insumos básicos e ainda uma mão de obra barata e acessível para tal produção extrativa. Assim é que com raríssimas exceções nenhuma nação recente conseguiria superar este condicionamento atroz do centro. A grande distância dos centros ou a ocorrência de guerras, como as mundiais no centro, possibilitariam temporariamente, as vezes, nalguns casos a substituição de algumas indústrias do centro reimplantadas na periferia um pouco sofisticada. Após a queda do muro de Berlim que emblematicamente significa a catástrofe russa e seu envolvimento na guerra do Afganistâo, em 1986, e sua fragorosa derrota, com o recrudescimento de uma crise econômico social e política em todo o território da antiga URSS, que , apesar da glasnost e perestroika feita por Gorbachov, não conseguiu sopitar a implosão de todo o império russo causando com isto, o transbordamento do capitalismo ocidental que, baseado nos entes de Bretton Woods, criados nas White Montains, dos EUA, passaram com a política de Richard Nixon, a assediar a China, estrategicamente, transformando a cortina de bambu, de um inimigo potencial em um amigo crucial, no primeiro momento, pois fornecedo-lhe, através de uma aliança com a política de Den Chiao Ping, a tecnologia e o capital necessário, unidos estes ao imenso capital de operários, bem dizer infinito, com baixo custo de moradia e alimentação, e por isto baixo custo de salário, isto é dizer vantagem comparativa salarial e técnica no nível de recorversão de trabalhadores rurais em urbanos. Assim é que a nova China, fruto de uma aliança neo-Granchista, subvertendo as teorias de Antonino Granschi, aliando a ditadura comunista que fornece operários à baixo custo de mão de obra com abundância jamais vista na história da humanidade, unida esta vantagem comparativa com o fornecimento de tecnologia e capital oriundos das potências ocidentais, que transferiram suas plantas industriais para a China, bem como suas marcas e patentes, que se não foram transferidas forma copiadas pelos chineses, produziram o boom, por mais de 30 anos de um crescimento do PIB chinês de mais ou menos 10% ao ano tornando-a na segunda potência mundial. Assim é que a antiga periferia asiática, com relação aos Tigres Asiáticos e a China expandiram-se e, logo depois do Japão, que iniciou este processo, foram substituindo-o em mercadorias industrializadas menos sofisticadas e de menor qualidade, para fazer com que o conceito de Raul Prebisch, na CEPAL, CENTRO\PERIFERIA fosse subvertido e invertido, passando a antiga PERIFERIA asiática a ocupar o lugar de CENTRO como o faz agora. O Brasil e a América Latina têm passado por um profundo processo de desindustrialização e de especialização só no agronegócio onde têm vantagens comparativas advindas da riqueza dos solos agriculturáveis, do clima propício, da maquinização do sistema de plantation, que em determinada época foi acionado pela tentativa de reconversão da sua planta produtiva pela instalação do sistema just and time ou sistema integrado onde, da mesma forma, uma aliança dos comunistas, liderados pelo comunista granschista Fernando Henrique Cardoso, com sua reforma agrária advinda do Estatuto da Terra produzido pelos militares e que implantou o FIM SOCIAL DA TERRA NO BRASIL no constitucionalismo de 1988 fizesse com que a falta de produtividade da plantation, fordista, as fazendas ou estâncias com suas grandes extensões de terra fossem substituídas no seu fordismo extensivo, onde se tem mais máquinas e poucos operários na produção , repito, fossem substituídas pelo sistema toyotista ou just and time integrado onde uma multinacional reprocessadora industrial compraria toda a produção de assentados, que por serem novos proprietários, sem o custo trabalhista de ter sua carteira assinada, forneceriam produção cativa de frangos, porcos, peixes, leite, frutas e verduras, para estas indústrias transformadoras, revertendo e convertendo o cinto de pobreza e insegurança que criava o exodo rural do campo para a cidade, invertendo assim, este caminho e restabelecendo, através da implantação da política de Robert Mundel, prêmio Nobel de Economia, nos anos 90, o seu sistema de simetria monetária, através da dolarização do real de Fernando Henrique Cardoso e de Menem, na Argentina e Brasil, condições de acoplamento da periferia com o Centro otimizando-se assim a periferia. Falhado o plano do Dólar de implantação de uma placa tectônica em dólar, moeda que domina 70% da circulação e da liquidação dos débitos internacionais, o agronegócio brasileiro ganhou uma trégua e vantagens comparativas, pois deixando de ser subsidiado pelos governos militares e deixando de ser acossado pelas invasões de sem terras cujos líderes petistas e comunistas constataram que estavam financiando favelas rurais ao invés de implantarem uma grande planta de sistema just and time ou integral de produção agrária pois falhada a dolarização e abortada assim a acoplagem monetária e rentista que propiciaria que estas plantas fornecessem ao primeiro mundo a exportação de produtos já mais agregados e com baixo custo, fazendo assim, por esta quebra ou falha do sistema de Robert Mundell, de uma grande placa monetária do dólar que a simetria monetária sucumbisse e as assimetrias continuassem desconectadas sendo que , mesmo assim, o Brasil participando do Grupo de Cairns, sem subsídios agrícolas dos governos militares, e já não acossado por invasões, conseguisse um grande boon agrícola superando os Estados Unidos da América e a Europa, ambos os territórios subsidiados por ajuda governamental e que não se enquadram nas exigências da rodada de Doha da OMC. Assim é, que paradoxalmente, embora os governos de FHC tentassem a recorversão da planta agrária através da simbiose capitalista\comunista do granchismo que substituiria as Plantations em regime fordista ou taylorista (pouca mão de obra e altamente mecanizadas de lavouras em grande extensão) pela planta toyotista ou just and time do agro negócio INTEGRADO a lavoura de pequenas famílias e proprietários, fornecedores de trabalho sem carteira assinada porque proprietários, a grandes plantas industriais tipo Sadia, Perdigão, etc…Falhada esta tentativa de implementação ela é substituída no governo Lula pela implementação de vinculação dos assentamentos antigos, já sem possibilidade de utilização pela indústria integrada, pois falhado o acoplamento monetário da dolarização do plano real, e falhada assim a artimanha criada por Robert Mudell de ligar a simetria e concatenar com ela as assimetrias, isto é dizer simetria monetária concatenando as diferentes assimetrias produtivas de todas as regiões ao capitalismo mundial, falhada esta tentativa, através da inversão do Estatuto da Terra que foi criado pelos militares para colonizar o interior e o eixo das estradas integrando o território nacional, transformada esta legislação em artificio de proselitismo político pela esquerda que vive dos votos dos pobres que foram direcionados para as invasões com a certeza que seriam acoplados ao capitalismo através da implantação do sistema INTEGRADO ou just and time do Toyotismo. Nada disto foi obtido e paradoxalmente a Plantation desonerada do financiamento a longo prazo e adaptando-se assim aos reticulados de Doha e da OMC, seja desoneração de subsídios governamentais, pela junção de um clima e abundancia de terras incorporadas do serrado no centro oeste e sudeste, com uma expansão jamais vista, o agronegócio passou a financiar e apoiar o crescimento do PIB nacional impedindo a debacle total frente a crise e a debacle do movimento capitalista no exterior colapsado. Assim é que o surgimento da China, antiga periferia transformada agora em Centro condicionante, tendo recebido tecnologia e aporte de capitais sem limite aliados a uma força de trabalho de um continente de operários que ultrapassam 940 milhões de pessoas, mais que a população dos Estados Unidos aliados ao Brasil, começaram a buscar as comodities agrárias das plantations já adaptadas com os reticulados de Doha e da OMC e assistidas, da mesma forma, pela tecnologia de empresas multinacionais como a Monsanto e outras que criaram uma simbiose entre sementes hibridas e patenteadas, sujeitas ao pagamento de royalts, adaptadas e suplementadas por agrotóxicos que destruíam as outras concorrentes e ervas que fizessem sombra a sua vicejação. Assim é que se temos o início do apogeu do agronegócio e da plantation, tipo taylorista e fordista, nas Américas Latinas, temos também um grave processo de desindustrialização e de crise e desemprego nas cidades onde se aumenta a área de insegurança e violência urbana aumentada pelo exodo rural e a queda da desindustrialização e disseminação do desemprego por todos os lugares alastrando-se para criar uma ampla zona de economia informal que passa a entrar em simbiose com o informal crime organizado do descaminho de direito e do contrabando, tanto de mercadorias importadas da China e da Ásia, como também de tóxicos e drogas oriundas da Bolivia, Paraguai, Perú e Colombia, transformando a periferia das malocas, favelas e arrabaldes brasileiros e latinos em zonas de guerra loteadas por quadrilhas altamente organizadas com exércitos e armamento que fazem sombra a soberania dos estados nacionais, que financiam o carnaval, financiam o jogo do bicho e outros jogos, dominando a periferia urbana e adentrando o financiamento de políticos granjeando cada vez mais poder sociológico, através da musica e costumes, como também pelo domínio a maneira dos velhos gangsters americanos vendendo segurança e elegendo políticos e subvertendo a ordem com a corrupção disseminada da polícia e do judiciário, pequenos burgueses ameaçados pelo poder de fogo que são cooptados ante o medo que derrama-se por sobre suas famílias e filhos e o dinheiro ilimitado de bilhões de dólares que irrigam o crime organizado dominando os negócios regularizados transformando-os gradativamente em lavanderias para lavar o dinheiro mal obtido. Assim é que estes liberais que aí estão, com sua miopia, não enxergam , a concorrência predadora da China comunista que desindustrializa o país nos mantendo num sistema de crise e desemprego sepultados pela violência oriunda da implosão da economia capitalista avançada em nosso território que mantem-se a troco de nossas altas vantagens comparativas oriundas só do grande agronegócio com sua planta taylorista ou fordista, das grandes fazendas ou estâncias, que tem sustentado agora, com suas vantagens comparativas nosso PIB através do comércio monopolista da China, que nos compra a maior parte da produção agrícola destruindo toda a indústria e o emprego nas cidades…Esta é a anatomia e o raio x de nossa crise e submissão!!!!
No entanto hoje sabe-se que além da moeda, do valor do trabalho, da tecnologia, dos juros altos ou baixos, também a disponibilidade de energia pode afetar a concorrência entre os países e assim, o discurso do Dr. Rilwanu Lukman, ex-Secretário Geral da OPEP ( Organização dos Países Produtores de Petróleo) sob o título “O Impacto Global do declínio do preço do óleo”, proferido em março de 1999, em Tóquio, (http://www.operc.org\) fornece subsídios determinantes da mesma forma para esta visão interativa. Ele afirmava naquela época que os preços do barril do Brent estacionados entre US$ 10 r US$ 12 causavam efeitos danosos sobre a economia mundial como um todo. Exemplificava dizendo que, em países importadores como o Japão, o preço baixo fazia com que a economia estimulada pelos baixos custos da energia ocasionasse um forte incremento da produção industrial com reflexo nos demais setores, ocasionando, como fenômeno mundial, pela soma destes parâmetros difusos entre países exportadores, com perfil semelhante, uma pressão insuportável sobre os balanços de pagamentos dos países importadores, criando assim problemas disseminados entre vários países emergentes causados pelo desequilíbrio das importações baratas.”
Assim é que o Brasil, voltando ao sistema de câmbio flexível sob meta de inflação, enfrenta hoje a antiga periferia transformada pelo capital e o aporte de tecnologia em CENTRO. A China, com seu dumping social – inexistência de direitos trabalhistas – e dumping monetário – moeda baixa – consegue incrementar uma mais valia Marxista insuperável para seus parceiros de negócios. ( Conceito de Mais Valia Absoluta e Relativa – Marx – ) O Brasil, sofrendo esta concorrência predadora, condicionado às importações maciças de commodities agrárias condiciona-se na sua funcionalidade ao mesmo tempo que sua indústria é dizimada e erradicada pela obtenção e troca de reciprocidades concessiva à China que exporta toda ou grande parte de sua produção industrial para o Brasil a preços infames frutos dos dumpings monetário e social. A subida dos preços do petróleo e a cessação do seu subsídio pelo governo cria um encarecimento maior da base produtiva pois repassado para o transporte e também para o custo de produção que se direcionam ambos para os preços finais. O valor da dívida oriunda do Plano Real de Fernando Henrique que termina seu período criando uma dívida pública, que era de 60 bilhões, passando ao patamar de 760 bilhões e que daí em diante sofreu um processo de aceleração pelas políticas demagogas e populares dos governos Lula e Dilma indo ao patamar de 4 trilhões de reais ou o equivalente à 1 trilhão de dólares, agravam a relação entre Estado e Sociedade Civil, sendo que o primeiro para compensar seus déficits vai aumentando seus impostos e gradativamente esgotando sua capacidade de tributação pois já num patamar estratosférico. Soma-se a isto o descontrole dos juros do sistema privados de bancos pois embora o Estado Nacional determine uma das taxas selics mais baixas em todos os períodos históricos, este valor de referência não afeta mais a taxa de juros privada que alça à patamares usurários de as vezes mais de 300% ao ano ou coisa assim próxima! O grande professor e economista Barry Eichengreen sobre os juros traçou este quadro: “Quando um país incorria em um déficit de pagamentos e começava a perder ouro, seu banco central podia intervir para acelerar o processo de ajuste do meio circulante. Ao reduzir o meio circulante, a intervenção do banco central exercia uma pressão para baixo nos preços e aumentava a competitividade dos produtos domésticos, eliminando o déficit eterno com a mesma eficácia de uma saída de ouro do país. A ampliação do modelo de maneira a incluir a intervenção de um banco central visando reforçar o impacto de fluxos de ouro incipientes nos meios de pagamento domésticos podia, assim, explicar como ocorriam ajustamentos externos na ausência de grande movimentação de ouro. Geralmente, o instrumento utilizado era a taxa de redesconto. Os bancos e outros intermediários financeiros (conhecidos como casas de redescontos) emprestavam dinheiro a comerciantes por sessenta ou noventa dias. O banco central podia adiantar esse dinheiro ao banco imediatamente, em troca da posse do título assinado pelo comerciante e do pagamento dos juros. O adiantamento do dinheiro era resultado da operação denominada “redescontar o título”; os juros cobrados eram a taxa de redesconto. Frequentemente, os bancos centrais mostravam-se prontos a descontar, à taxa prevalecente, um número ilimitado de letras elegíveis que lhes fossem apresentadas (sendo que a aceitabilidade dependia do número e confiabilidade nas assinaturas apostas ao título, das condições, sob as quais ele havia sacado e de seu prazo até a maturação). Se o banco elevasse à taxa e tornasse o desconto mais dispendioso, um número menor de intermediários financeiros estaria interessado em descontar títulos e obter dinheiro do banco central. Através da manipulação de sua taxa de redesconto, o banco central podia interferir no volume de crédito doméstico. O banco podia aumentar ou reduzir a disponibilidade de crédito para restaurar o equilíbrio do balanço de pagamentos sem que fosse necessário realizar transferências de ouro (leia-se hoje de divisas ou perda de reservas – grifo e observação minha). Quando um banco central, prevendo perdas de ouro (divisas – grifo meu) , elevava sua taxa de redescontos, reduzindo assim seu estoque de ativos domésticos que lhe rendia juros, ocorria o enxugamento do volume de dinheiro no mercado. Verificava-se uma redução no volume de dinheiro em circulação e o equilíbrio externo era restaurado sem necessidade de uma saída real de ouro (divisas) do país. Esse comportamento por parte dos bancos centrais veio a ser denominado “jogar segundo as regras”. Não havia, evidentemente, um livro contendo as regras definindo esse comportamento. “As regras do jogo” era uma expressão cunhada em 1925 pelo economista inglês John Maynard Keynes, quando o padrão ouro do período anterior à guerra era apenas uma vaga lembrança. O fato de que a expressão tenha sido introduzida tanto tempo depois deveria despertar nossa suspeita de que os bancos centrai orientavam-se, ainda que implicitamente, por um rígido código de conduta. Isso, na verdade, não ocorria, embora esse fato tenha sido descoberto apenas indiretamente. Em um tratado influente publicado em 1944, cujo propósito era explicar por que o sistema monetário internacional havia funcionado tão mal nas décadas de 20 e 30, Ragnar Nurkse tabulou – por país e por ano – o número de vezes, entre 1922 e 1938, em que os ativos domésticos e externos dos bancos centrais haviam caminhado juntos, como se as autoridades tivessem aderido “as regras do jogo”, e o número de vezes em que isso não ocorreu. Ao descobrir que os ativos domésticos e externos moviam-se em sentidos opostos na maioria dos anos estudados. Nurkse atribuiu a instabilidade do padrão ouro no período do entreguerras a um desrespeito generalizado das regras e, assim, deduziu que a estabilidade do padrão ouro clássico dependeria da preservação dessas mesmas regras. Porém quando Arthur Bloofield refez em 1959 o exercício de Nurkse utilizando dados de um período anterior à guerra, para sua surpresa, ele verificou que o desrespeito às regras eram igualmente comuns antes de 1913. É claro, portanto, que outros fatores, além do balanço de pagamentos, influenciavam as decisões dos bancos centrais sobre em que nível deveriam fixar a taxa de redesconto. A lucratividade era um desses fatores, tendo em vista que muitos bancos centrais eram instituições privadas. Se o banco central fixasse a taxa de redesconto acima das taxas de juros do mercado, ele poderia ficar sem clientes. Esse foi um problema para o Banco da Inglaterra a partir da década de 1870. O crescimento do número de bancos privados depois de meados do século havia reduzido a participação de mercado do Banco da Inglaterra. Anteriormente, o banco havia sido “tão forte que poderia ter absorvido todos os outros bancos londrinos, seus capitais e suas reservas e, mesmo assim, seu próprio capital não teria se exaurido. Quando as operações de redesconto do Banco foram reduzidas a apenas uma fração daquelas praticadas por seus concorrentes, uma elevação em sua taxa de redesconto (bank rate) tinha menor impacto sobre as taxas de mercado. (assim com a queda da Selic não influencia nada em razão das taxas de juros dos bancos privados no Brasil extratosféricas!!! Grifo meu). Uma elevação nessa taxa ampliava o diferencial entre ela e as taxas de mercado, fazendo com que o Banco da Inglaterra ficasse sem clientes para esse tipo de operação. Se esse diferencial se ampliava excessivamente, a “bank rate” poderia perder sua “eficácia” através da venda de títulos (juntamente com a venda de compromissos de recompra) com o objetivo de baixar o preço das mesmas, empurrando as taxas de mercado para cima, aproximando-as da “bank rate”. Outra consideração era que uma elevação nas taxas de juro para conter a saída de ouro (divisas grifo) poderia esfriar a atividade econômica. Elevações nas taxas de juro aumentavam o custo de financiamento de investimentos e desestimulavam a acumulação de estoques, embora os bancos centrais ficassem, em larga medida, isolados das repercussões políticas negativas. Finalmente, os bancos centrais hesitavam em elevar as taxas de juro porque isso aumentava o custo do serviço da dívida do governo. Mesmo bancos centrais que eram instituições privadas não estavam imunes a pressões no sentido de proteger o governo deste ônus. O Banco da França, embora fosse uma instituição privada, era chefiado por um servidor público nomeado pelo ministro das Finanças. Três dos doze membros do Council of Regents do banco eram indicados pelo governo. A maioria dos funcionários do Rechsbank alemão era de servidores públicos. Embora a diretoria do Rechsbank decidisse a maior parte das questões de suas políticas através de voto majoritário, em caso de conflito com o governo ele era obrigado a obedecer às instruções do chanceler alemão. Portando, uma suposição simplista de que haveria um conjunto de “regras do jogo” seria enganosa – e, com o passar do tempo, cada vez mais errônea.” Assim é que o Brasil hoje sofre a concorrência do efeito Guerra das Moedas causado pelo acoplamento com a China, que lhe compra quase tudo sendo seu maior parceiro econômico atual, ao mesmo tempo que lhe destrói de forma predadora toda a indústria que não tem competitividade para enfrentar a planta chinesa turbinada por uma mais valia aliada à moeda baixa e a ausência ou quase ausência de custos laborais por acréscimo e adição de direitos trabalhistas. Custo de Juros aliado à divida pública mantém o Brasil nesta estagnação e congelamento do crescimento e da reativação do PIB nacional pois as distorções de endividamento americano, pelo sistema de Bob Triffin, seja a inflação da moeda e da dívida americana com uma moeda fiduciária que exporta a inflação americana para a China, que, como sistema ou sub-sistema reexporta esta inflação do dólar americano na forma das divisas que pressionam ao máximo as importações de commodities brasileiras agrárias e concomitantemente asfixiam à sua indústria, como bem descrito por Robert Mundell, no seu primeiro modelo de áreas monetárias com suas simulações hipotéticas interativas entre os sistemas estatais monetários e econômicos de certa forma reprisando a teoria de Leontieff. Eis o esquema do meu conceito de Guerra das Moedas que, criado antes de Honsong Bing, o chinês que escreveu guerra das moedas em 2007, nove anos depois de mim e ainda James Richards, americano que escreveu em 2014 sob o mesmo título. Acrescentei ao título o nome Guerra das Moedas e a Partidocracia pois analiso, em cada época os governos de Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma, com relação ao Banco Central e suas emissões e providências com relação ao mercado interno e internacional com efeitos endógenos e exógenos. A reforma econômica, seja ela de Bolsonaro ou mesmo outro que lhe sobrevenha através de eleições ou não, há de levar em conta toda esta inserção internacional do Brasil e seu condicionamento aos demais sistemas econômicos. Trump e seu governo já concluíram sobre os efeitos daninhos da China sobre o seu território na politica de mais empregos lá e menos empregos nos EUA partindo para uma demolição da visão de Bretton Woods do multilateralismo, alterando-o, através de pressões para um bilateralismo prático negociado parte a parte e caso a caso na conformidade dos interesses americanos de manutenção dos índices de crescimento de sua econômica com a manutenção, da mesma forma, dos níveis de emprego que aumentaram bastante.

5 – Da originalidade e pioneirismo do nome Guerra das Moedas para caracterizar no tempo um processo de concorrência monetária.

A expressão “Beggar thy neighbour” ou política de empobrecimento do vizinho oriunda do paradoxo de Robert Triffin o economista belga que identificou o colapso do lastro ouro americano e a expansão monetária desta nação trás incita a palavra guerra das moedas embora não a explicite. De certa forma o conceito de Triffin remete ao conhecimento de John Maynard Keynes, em sua obra Breve Tratado sobre a Reforma Monetária, publicado em 1971, pela The Royal Economic Society e publicado pela The Macmillan Press Ltd. Londres. Em suas páginas 78 quando aborda as Finanças Públicas e o Valor da Moeda no item Depreciação da moeda versus imposto sobre o capital. São suas as palavras que dizem “já vimos na secção anterior como o governo pode empregar a inflação da moeda (emissão sem lastro) para assegurar-se de ingressos com os quais enfrentar seus futuros pagamentos. Mas existe uma segunda maneira mediante a qual a inflação ajuda o governo a fazer equilíbrios para subsistir e assim reduzir a carga de seus passivos precedentes, na medida em que se hajam estabelecido em termos de dinheiro. Estes passivos consistem fundamentalmente em dívida interna. Cada passo da depreciação comporta obviamente uma redução em títulos reais perante os credores ante seus governos.” Assim é que Keynes vislumbra a expansão monetária como forma de quitação ou diluição da dívida publica. Este conceito foi absorvido por Triffin, não no plano interno da relação do estado com seus súditos mas na relação entre estados. John Kenneth Galbraith em sua obra A Moeda De onde veio e para onde vai, foi o que chegou mais perto da expressão Guerra das Moedas pois nesta obra no seu capítulo 7 intitula-a com o nome: A Guerra da Moeda. Neste capítulo ele não trata da Guerra das Moedas entre estados nacionais e suas plantas competitivas acopladas como sistemas interativos mas foca isto sim sobre a criação do Banco Central Americano e a relação de verdadeira guerra existentes entre os bancos privados nacionais americanos.